Buscar
  • Durval Júnior

Swing como Remédio?

Vamos falar do #SWING hoje.


Também conhecido como #KETTLEBELLSWING, ele é simplesmente a base para todo treinamento com kettlebell. A extensão do quadril desenvolvida com o swing é essencial no fortalecimento da região mais frágil do corpo, a coluna vertebral, bem como todo o complexo quadril-pelve-lombar, o #CORE.

Por isso posso considerar, se você me perguntar "Qual o melhor exercício para correr mais rápido? Qual o melhor exercício para proteger a coluna vertebral, ou joelho ou fortalecer o CORE?", eu te responderei que é o swing. Funciona para #EMAGRECER? Bastante! O apelo cardiovascular do swing é muito alto por suas características de potência, peso e mudança de direção. E sem precisar sair do lugar ou ligar nada na tomada.

Nosso corpo tem características anteriorizadas, ou seja, de tudo que fazemos, a maior parte das coisas é para frente: andar, permanecer sentado enquanto trabalha, empurrar o sofá, o olhos são para frente, etc... Mas a cadeia posterior de movimento passa pelo oposto disto. Não temos muitas atividades que nos exijam exclusivamente desta região.


Nesta lacuna aparece o swing. Começa-se o movimento retirando o peso do chão com as duas mãos e o trazendo em um só golpe em direção ao quadril, com o tronco alinhado e colunas cervical e torácica neutras, devolvendo a força do peso com seu quadril, até ficar em pé com ele na altura dos ombros (Veja nas fotos e acesse nosso instagram para vídeos do movimento). A desaceleração gerada por este movimento não tem igual. Você já viu algum exercício que trabalhe com tanta intensidade a desaceleração? Com a mesma força que o peso sobe, ele irá descer; logo seu corpo precisa ser inteligente para absorver a força e aplicar de volta. Acelerar e desacelerar faz parte do seu dia-a-dia. Toda a musculatura dorsal, cervical, glúteos, posterior de coxa, panturrilha e pé (olha ele aí de novo) estão trabalhando intensamente na estabilização e geração de força do movimento.

Para aprender, você precisa passar por uma fase de adaptação, executando movimentos similares primeiro, trabalho de conscientização corporal e fortalecimento de músculos sinergistas (músculos que ajudam na execução). Afinal, é um movimento de balanço com um #KETTLEBELL, e isto pode te machucar. Dores nas costas por exemplo são um sinal de alerta para atrasar um pouco o início do aprendizado. Mas depois, o swing será um ótimo aliado da sua musculatura dorsal e seu resultado corporal.



Você já percebeu que uma das regiões em que o jogador de futebol mais se lesiona é a posterior de coxa? O movimento do esporte é sempre buscando ir ao gol (que é para frente). Porém a região posterior é antagônica e trabalha como suporte. Então se não há força suficiente, em qualquer mudança brusca de direção por exemplo, ocorre a lesão.


O swing não é um "Agachamento com Elevação Frontal de Braços" como alguns imaginam. É um exercício totalmente dedicado à cadeia posterior, como já vimos. Mas pode-se encontrar execuções bem pouco "convencionais". Está aí a necessidade de buscar alguém realmente qualificado e conhecedor do treinamento com kettlebell. Menor risco e maior resultado para você.

Para receber o selo TFI-VIS do Instituto Arte da Força, os estúdios passam por uma avaliação, assim como o treinador responsável, pois a garantia de um trabalho correto e que busque a saúde através do movimento é premissa do TFI-VIS. E isto se reflete em você cliente.


Quer tomar desse remédio? Que tal algumas doses semanais de swing?! #TFIVIS!

Grande abraço,

Durval Júnior


0 visualização
VOLTAR AO TOPO

© 2020 por DURVAL JÚNIOR PERSONAL TRAINER.